LTV A-7P Corsair II

HOB87205

Novo produto

Kit em plástico da Hobby Boss à escala 1/72, faz o LTV A-7P Corsair II nas cores da Força Aérea Portuguesa (FAP).

Portugal.jpg

Mais detalhes

2 Itens

Disponível para envio imediato.

Ao comprar este produto pode ganhar até 19 pontos de fidelização. Seu carrinho totalizará 19 pontos de fidelização que podem ser convertidos num vale de desconto de 0,19 €.


19,50 € Sem IVA

0.8 kg
Entrega: 1 a 5 dias úteis

Adicionar à Lista de desejos

Ficha informativa

MarcaHobby Boss
Referência87205
TipoKit em plástico
Escala1:72
MotivoAvião monorreactor de interdição aérea, luta aérea ofensiva e defensiva
Peças plástico188
Tamanho196mm X 164,2mm
DecalquesPintura comemorativa das 64000 horas A-7P FAP
Periodo histórico1965-2014
AtençãoNão incluí tintas nem cola (venda em separado).
ConteúdoKit em plástico | Decalques | Instruções
Ano2007

Mais informação

O A-7 Corsair II é um avião monorreactor, trem de triciclo retráctil, asa alta, destinado a missões de ataque a alvos de superfície a partir de um porta-aviões, fabricado pela Ling-Temco-Vought. O modelo baseia-se no F-8 Crusader. Desde 1965 até a produção terminar em 1984 foram fabricados 1,569 aparelhos.

O construtor deste avião foi o vencedor de um concurso para a produção deste tipo de aeronave para servir a Marinha dos Estados Unidos da América (USN), em 1964.

Os primeiros aviões foram recebidos em Outubro de 1966, os A-7A aos quais se seguiram a versão A-7B mais potente e com capacidade de operar dia ou noite. A USN adquiriu 193 aparelhos A-7A (incluindo 3 protótipos YA-7A) e 196 aparelhos A-7B. A versão A-7C era para ter sido uma versão bilugar para treino, mas foi preterida a favor da versão bilugar TA-4J do Douglas A-4 Skyhawk.

Nesse mesmo ano, a Força Aérea dos Estados Unidos da América (USAF) adoptou uma nova versão, o A-7D, para substituir o Douglas A-1 Skyraider na função de apoio aéreo próximo. A USAF exigiu a instalação de um reactor mais potente que o P&W TF30 que equipava as versões da USN, tendo a escolha recaído sobre o reactor Allison TF41 (uma versão do Rolls-Royce Spey fabricada sob licença). Foram introduzidos novos aviónicos, o sistema de reabastecimento em voo probe-and-drogue da marinha foi substituído pelo sistema flying boom da força aérea e o armamento interno passou a ser o canhão do tipo gatling M61 Vulcan. Foram fabricados 459 aparelhos desta versão.

A USN ficou tão impressionada pelas melhorias no desempenho proprocionado pelo TF41 que acabou por encomendar a versão A-7E, baseado no A-7D. A produção desta versão totalizou 535 aparelhos. Devido a atrasos na produção do TF41, foi produzido um pequeno lote de 67 aeronaves equipadas com reactores P&W TF30-P-408, que passaram a ser a versão A-7C.

O TA-7 era a versão bilugar, usada para treino de conversão dos pilotos destinados a voar as versões monolugares. A versão TA-7C da USN foram convertidos a partir de 24 células A-7A e 36 células A-7B e entraram ao serviço em 1977. 8 aparelhos foram convertidos para treino de guerra electrónica em 1982, com a designação EA-7L. Em 1984 41 células TA-7C e todos os EA-7L foram modernizadas com reactores TF41 e aviónicos do A-7E, sem haver mudança de designação. A USAF adquiriu 30 aparelhos da versão TA-7K, baseada no A-7D, que foram empregues pela Guarda Nacional Aérea.

A versão YA-7F, inicialmente designada de A-7D Plus, era uma resposta a um requerimento da USAF para um avião de apoio a solo próximo de elevado desempenho, dado existir a preocupação de que a falta de velocidade do Fairchild A-10 Thunderbolt II o deixasse demasiado vulnerável no campo de batalha moderno. O YA-7F tinha uma fuselagem alongada, uma cauda maior, uma asa reforçada e estava equipado com um reactor P&W F100-PW-220, sendo capaz de voar a velocidades supersónicas. Foram modificados dois A-7D para servirem de protótipos, mas o projecto acabou por ser cancelado.

A versão A-7G foi uma versão oferecida à Suíça, que tinha o favor da força aérea, no entanto o governo optou pela aquisição do Northrop F-5E Tiger II.

A carreira operacional do A-7 com a USN acabou em 1991 e com a USAF em 1993. No entanto, alguns aparelhos continuaram a operar em apoio a unidades de treino e de investigação até serem finalmente retiradas de serviço em 1994 pela USN e 1998 pela USAF.

Além dos EUA e da FAP, o A-7 também foi empregue pela Força Aérea Grega e a Marinha Real Tailandesa. A Grécia adquiriu 60 A-7H e 5 TA-7H, a partir de 1975. Estes aparelhos eram baseados no A-7D, careçendo da capacidade de reabastecimento em voo. Nos anos noventa a frota foi reforçada com 36 aparelhos A-7E e TA-7C que tinham pertencido à USN. A Tailândia em 1995 adquiriu 16 A-7E e 4 TA-7C em segunda mão da USN.

Portugal adquiriu 50 aeronaves sendo 44 A-7P e 6 TA-7P (bilugares), com números de cauda 5501 a 5544 (A-7P) e 5545 a 5550 (TA-7P). Esses aviões foram modificados e convertidos (no caso do TA-7P) a partir de células excedentes A-7A da USN, dotando-os de reactores TF30-P-408 e com aviónicos semelhantes ao A-7E. Entraram ao serviço em 1981 e foram abatidos em julho de 1999.

Foram colocados na Base Aérea Nº 5, na Esquadra de Ataque 302 com a missão primária de executar interdição aérea, luta aérea ofensiva e defensiva. Mais tarde, com novos aviões foi constituída a Esquadra 304, a que foram atribuídas as mesmas missões.

Nos 18 anos ao serviço da FAP foram perdidos 16 aparelhos em acidentes.

Este é um kit em plástico da Hobby Boss à escala 1/72, faz o LTV A-7P Corsair II nas cores da Força Aérea Portuguesa (FAP).

Avaliações

Sem avaliações neste momento.

Escrever uma avaliação

LTV A-7P Corsair II

LTV A-7P Corsair II

Kit em plástico da Hobby Boss à escala 1/72, faz o LTV A-7P Corsair II nas cores da Força Aérea Portuguesa (FAP).

Portugal.jpg

Clientes que compraram este produto também compraram:

30 outros produtos na mesma categoria: